FORMAS NOMINAIS

As formas nominais do verbo são:

 

INFINITIVO – marcado pelas terminações –ar (1ª conjugação), -er e –or (2ª conjugação) e –ir (3ª conjugação). Veja aqui artigos relacionados ao infinitivo e seus usos: INFINITIVO X FUTURO DO SUBJUNTIVO e FLEXÃO DO INFINITIVO.

 

PARTICÍPIO – marcado, em suas formas regulares, pelas terminações –ado(a)(s) e ido(a)(s) e, nas formas irregulares, como o próprio nome já indica, por terminações várias, como ocorre em ganho, salvo, gasto, pago, expresso… Para aprender mais sobre os particípios regulares e irregulares, veja o nosso artigo PARTICÍPIO ABUNDANTE.

 

GERÚNDIO – marcado pela terminação –ndo.

 

Lembro-me de que, nos meus remotos tempos nos bancos escolares, sempre que se falava em “formas nominais do verbo”, esse termo me causava certo incômodo, uma vez que, na minha cabeça de estudante, o infinitivo, o gerúndio e o particípio, sendo formas assumidas pelos verbos, não deveriam receber o nome de “formas nominais”…

 

Então, para não deixar a mesma dúvida aos meus alunos, sempre esclareço que, ao assumir uma forma de particípio, infinitivo ou gerúndio (formas nominais), o verbo deixa de expressar o tempo e modo, papel que lhe é típico, deixando, portanto, de se comportar propriamente como verbo.

 

Isso ocorre tanto quando uma forma nominal participa de uma locução verbal (por exemplo: vou falar; tenho falado; estou falando), nas quais as noções de tempo e de modo são expressas pelo verbo auxiliar, quanto nos processos em que um verbo em sua forma nominal assume funções de nome (substantivo, adjetivo e advérbio).

 

Note que é comum se falar em substantivação de um verbo, como ocorre em “Nosso andar parecia pesado.”, em que “andar” assume um papel substantivo, sendo o núcleo do sujeito. Isso só é possível porque o referido verbo está em uma forma nominal, ou seja, em uma forma compatível com uma função de nome, no caso uma função substantiva. Tal processo não ocorreria se a forma verbal “andar” estivesse conjugada. Ninguém diria, por exemplo, “Nosso andamos parecia pesado”… Não é mesmo?

 

Observe, ainda, que o tempo (pretérito imperfeito) e o modo (indicativo) da sentença não estão marcados na forma “andar”, mas naquele verbo que, estando flexionado como verbo, traz a informação modo-temporal (parecia). É interessante perceber que a adjetivação feita nessa sentença se dá por meio de um outro verbo, o qual está em uma forma nominal de particípio (pesado). Ou seja, as funções nominais da sentença em questão (substantivo e adjetivo) são desempenhadas por verbos, o que só é possível porque tais verbos se encontram em formas NOMINAIS.

 

As formas de infinitivo desempenham função substantiva (Chorar lava a alma.), as de particípio desempenham função adjetiva (homem sabido) e as de gerúndio desempenham funções adverbias (Amanhecendo, sairemos) e também adjetivas (água fervendo). Acerca dessa última construção, o mestre Bechara lembra que, apesar de ser apontada por alguns como um galicismo, trata-se de emprego antigo e consagrado na língua portuguesa.

 

Hoje, eu fico por aqui.

 

Um beijo,

Prof.ª Dr.ª Patrícia Corado

 

 

Tags
FORMAS NOMINAIS, GERÚNDIO, Infinitivo, particípio, verbo
7 Comentários
  • fatima liranço biazotti
    Postado 18:47h, 04 junho Responder

    me ajudou muito

  • fatima liranço biazotti
    Postado 18:47h, 04 junho Responder

    muito legal me ajudou muitooo

    • Língua Minha
      Postado 21:31h, 20 julho Responder

      Que bom, Fátima! Obrigada pelo seu comentário!
      Beijos,
      Patrícia

  • WARLE RIBEIRO NETO
    Postado 09:51h, 09 setembro Responder

    Muito bom.

    • Língua Minha
      Postado 11:22h, 09 setembro Responder

      Obrigada, Warle! Fique sempre conosco!
      Abraço,
      Patrícia

  • elder cardoso
    Postado 21:49h, 07 agosto Responder

    muito obrigado
    boa explicação.

  • Língua Minha
    Postado 21:07h, 17 outubro Responder

    Obrigada pela mensagem, Elder!
    Um abraço,
    Patrícia

Postar um comentário